Nunca pensei que seria possível parte III

Click to this video!

Por ser algo real que tem acontecido comigo, segue o 3° episódio desta aventura com a mulher de um amigo meu vereador aqui em Araguaina-TO, seu nome é Ane, morena, magra, seios médios, olhos pretos bem escuros mesmo, uma delícia de mulher. Nós somos amigos de longas datas, mas nunca havia me imaginado numa situação como a que tenho vivido e isso começou no feriado de 07 de setembro, como está relatado nos contos anteriores. E hoje depois de muitos dias, aconteceu novamente, depois que comi a Ane na sua própria casa, ela se limitou e mulher sabe fazer isso, elas conseguem dar um fora em um homem e nunca mais nem olhar para a cara dele, e a Ane ficou mais ou menos assim, não foi completo, pois, sempre que nos encontrávamos com a família, ela vinha e falava comigo, com minha esposa e filhos e nada além disso, nem mesmo troca de olhares, e eu com seu marido o Marcelo, nada mudou, porém, ela havia me bloqueado de seu zap, eu mandei algumas mensagens que nunca foram respondidas por ela, e nem mesmo vistas e percebi que ela havia me bloqueado, liguei algumas vezes para ela e ela me atendia, mas sempre com aquela etiqueta de esposa fiel e etc. o fato é que eu já havia até esquecido e tocado a minha vida, sem ficar imaginando ela e etc. porem, neste fim de semana 19/12/15 eu estava em casa a tarde, vendo futebol pela tv a cabo e minha esposa, havia saído para casa de sua irmã e eu estava só em casa, e dai o fone fixo, tocu e eu fui atender, e era a Ane, ela disse:
oi Marcos, quanto tempo né
Oi, é quem?
A Ane uai, não conhece mais minha voz?
Oi Ane, desculpe, é que não estava reconhecendo mesmo, aconteceu alguma coisa?
Sim, aconteceu
O que foi?
Quero te ver, pode ser?
Sim, claro, quer que eu vá ai
Não, eu vou ai, em sua casa, já liguei para a Carla e ela disse que está na casa da irmã e que vai demorar um pouco
Você vai vir aqui?
Sim, posso ou não?
Pode sim, … é agora?
Pra ser sincera estou na frente de sua casa com o carro parado, esperando você abrir o portão
Putz, desliguei o fone, após dizer, tô indo, abrir o portão e ela entrou em casa, fechei o portão e a safada me tascou um beijo longo e demorado e me disse vamos pro seu quarto, pois não quero perder tempo.
Fomos nos beijando, levei-a pro quarto e ela disse, não me pergunte nada, só quero ser tua.
Ela estava de short e camiseta, sem soutien, quando tirei sua camiseta a safada estava com muito tesão, pois o bico dos seios estava arrepiados, mordi de leve cada um deles, e depois chupava bem gostoso, enquanto minha mão passeava no seu short, alisando sua bucetinha através do short, a safadinha gemia e dizia, não me enlouquece, me come logo, enquanto ela falava, eu desci minha boca por sua barriga e tirei seu short e cai de boca naquela bucetinha linda, e comecei a chupar e a apertar seus seios com uma de minhas mãos, e a Ane, gemia e suas pernas faltava dar uma chave em minha cabeça, em certo momento, senti que ela pegou sua mão e forçava minha cabeça contra sua buceta e eu sugava ainda mais forte, até que senti ela se tremer toda e soltar minha cabeça, então lambi ela mais um pouco e subi beijando barriga, umbigo, seios até chegar em sua deliciosa boca, onde a beijei e ela disse, vc me mata, eu tava com muita saudade, mas não podia demonstrar. E eu disse, porque me bloqueio no whats? Ela disse, não posso me expor e nem você, deixa que sempre vou te procurar, e foi falando isso, e se abaixando e tirou meu short e minha cueca e caiu de boca em meu pau e disse, ele é delicioso, me come gostoso por favor, eu levantei ela e disse, você trouxe camisinha, ela só virou de quatro e disse: mete que ela quer sem camisinha, então puxei seus cabelos e metí meu pau, enquanto beijava sua boca e a safada disse, me come logo, anda
Eu metia forte e ela dizia, puxa meus cabelos e me fode como uma égua no cio, e eu estava em êxtase, sentido o cheiro de sexo no ar, quando ela começou a dizer, me bate vai, me bate, então comecei a dar alguns tapinhas em sua bunda e ela disse, bate mais forte, quero ficar marcada, então não me contive, e tasquei alguns tapas naquela bundinha linda e comecei a dizer:
Toma puta, tu não queria apanhar
Sim, bate, queria não, eu queeero
Então toma safada, vagabunda, veio aqui pra quê hein?
Pra ser fodida por você, pra levar pau
Então pede pau, pede sua puta
Me dá pau, me dá pau
O que você é minha
Sou sua puta, sua putinha safada
Não me controlei e gozei dentro daquela buceta gostosa, e enquanto gozava ela empurrava sua bunda para que meu pau entrasse mais fundo e então caímos sobre a cama.
Fiquei de barriga pra cima, e ela também, daí ela me beijou e foi até meu pau e chupou ele mais um pouco e disse: acho que tô viciada em sentir gosto de porra, eu disse, ah é safadinha, anda tomando porra de quem mais?
Só do Marcelo, mas, não fazia isso sempre, agora, toda vez que transo com ele, eu vou lá no pau dele e deixo limpinho, como fiz com o seu
Eu disse a ela, você sabia que junto com minha porra, tem também o gosto de sua bucetinha?
Verdade, não tinha pensado nisso
Pois é, tem seu gosto ai também safadinha, e voltei a beijar ela, então, ela foi até o banheiro, lavou a vagina, vestiu sua roupa e disse, preciso ir, o Marcelo foi jogar bola com os amigos e eu dei esta escapada, levei até o portão dei mais uns beijos na safada e ela disse: não me ligue e nem mande mensagens, deixa que eu te procuro e saiu.
Voltei pra casa e fui pro banheiro e fiquei pensando, quando será que isto vai acabar e como vai acabar. Outro detalhe que me acalmou foi o fato de gozar dentro sem camisinha, pois sei que a Ane é operada e não pode mais ter filhos.
Não sei quando irei relatar algo assim, mas este caso está me deixando louco de desejo. Até a próxima…